558776_10151515826479722_740463395_n

O António Paraíso é um reconhecido especialista nas áreas da venda e negociação, inovação e luxo. Nesta qualidade, além de professor na Porto Business School, colabora com muitas organizações, espalhadas um pouco por todo o mundo como palestrante, consultor e formador. Nesta entrevista, o António partilha um pouco do seu conhecimento sobre comunicação, aproveita! Para saberes mais sobre o seu trabalho, visita o seu site, o seu catálogo e segue o seu canal do Youtube.

 

TMC: António, como professor e palestrante, quais achas serem os factores fundamentais que ajudam a fazer uma comunicação eficiente?

António: De facto o meu trabalho implica comunicar todos os dias com diferentes tipos de públicos. Eu destacaria 3 factores que contribuem para uma comunicação eficiente e cativante: muito treino, domínio absoluto do tema a abordar e adequação da linguagem ao tipo de público que nos ouve.

 

TMC: Tens uma ampla experiência a trabalhar com públicos internacionais. Que tipo de adaptações são importantes quando estamos a comunicar com audiências de outras culturas?

António: Quando faço palestras fora de Portugal, faço-o sobretudo fora da Europa, onde eu sinto diferenças culturais bem mais vincadas.

Eu leio previamente sobre o país e sobre hábitos culturais do seu povo, estudo um pouco da história do país e procuro adaptar o melhor que eu puder e souber o meu discurso à cultura local. Faço uma ou duas referências à história do pais para criar ligação emocional com o público e evito ter graça e fazer comentários divertidos. O humor varia muito de cultura para cultura e há piadas que funcionam na Europa e não têm piada nenhuma na Ásia ou no Médio Oriente.

Já me aconteceu numa palestra em Singapura, as 300 pessoas da plateia não se rirem quando eu disse uma pequena piada que costumo usar na Europa, e depois se terem rido muito de um comentário que fiz que não era suposto ter piada.

 

TMC: Entre as tuas áreas de expertise estão as vendas, a negociação, a inovação e o luxo. Como desenvolveste conhecimentos nestas áreas?

António: Com muito estudo e experiência de trabalho no mercado.

Frequentei cursos de pós-graduação em marketing e inovação, comércio internacional e gestão de marcas de luxo. Trabalhei quase 20 anos como vendedor e diretor comercial no mercado internacional. Atualmente, há mais de 12 anos que faço consultoria, docência, formação de equipas e palestras em vendas, negociação, inovação e desenvolvimento de marca, em ambiente premium ou de consumo corrente.

 

TMC: Como é que conhecimentos e treino na área de vendas e negociação pode ajudar nas relações pessoais?

António: Vender é uma atividade que implica perceber qual o problema do cliente, sentir que temos a solução para esse problema e conversar com o cliente para o convencer que a nossa solução é a mais adequada para o problema dele.

É um processo que exige o desenvolvimento de competências técnicas, mas também de competências comportamentais, de desenvolvimento da relação pessoal com o cliente. Os clientes são pessoas, não são máquinas de meter moedas.

Negociar é trocar valor, é um constante “dar e receber”.

Mas assim também é a vida. Em família, com amigos.

Se tivermos experiência em desenvolver relacionamentos fortes com clientes e fornecedores, os ajudar a resolver problemas e se soubermos constantemente com eles trocar valor, essa experiência será valiosa seguramente para as nossas relações pessoais e sociais.

 

TMC: Lidaste na tua vida com momentos profissionais difíceis, altura em que decidiste lançar-te como profissional independente e com excelentes resultados. Quais as principais dificuldades e aprendizagens dessa transição?

António: Sim, eu conto esse episódio na minha palestra TEDx “O Poder da Proatividade”. Estive numa situação de desemprego de longa duração e decidi criar o meu próprio negócio, há 12 anos.

A principal dificuldade que senti e sinto é que quem trabalha sozinho e por conta própria, não tem horários de trabalho.

A principal aprendizagem é a de que o sucesso depende muito mais de mim do que eu imaginava. Depende do que eu faço, da forma como o faço e de como me relaciono com os outros.

E aprendi o quanto é importante ser diferente dos outros. Quando somos iguais aos outros, o mercado só nos compra se nós formos mais baratos e obriga-nos a baixar preço. Por isso tento sempre trabalhar de forma diferente e apresentar soluções diferentes aos meus clientes.

 

TMC: Os teus alunos destacam normalmente o dinamismo e boa disposição das tuas aulas e palestras. Qual é o segredo da tua jovialidade?

António: Gosto do meu trabalho!

Anúncios